A Morte de Uma Lenda - Adeus Muhammad Ali


Alguns homens se tornaram símbolos tão fortes que deixaram de ser humanos e se tornaram lendas. Um desses gigantes foi Muhammad Ali, que morreu na sexta-feira 3 de junho, aos 74 anos, em um hospital em Phoenix, no estado do Arizona, nos Estados Unidos depois de um combate de 32 anos contra o mal de Parkinson.

Muhammad Ali, que anteriormente se chamava Cassius Clay Jr., foi campeão do mundo de pesos pesados em 1964, 1974 e 1978, posteriormente sendo considerado o maior pugilista da história.

Cassius Clay nasceu em Louisville. Era filhos de escravos, daí o seu anterior nome, que foi alterado quando se converteu ao islamismo. Começou a lutar como amador com 12 anos e aos 18 ganhou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Roma.


E ele quase não foi para os Jogos Olímpicos na Itália, por medo de voar! Queria ir para a Roma de navio, de trem, qualquer coisa que não voasse, mas acabou convencido de que o único meio era o avião e embarcou vestindo um paraquedas.


Superou o medo e acabou com a medalha de ouro no peito.
Quatro anos depois, invicto como profissional, ele enfrentou - e venceu - Sonny Liston pelo cinturão da categoria peso pesado, no dia 25 de fevereiro de 1964, conseguindo, pela primeira vez, o título de campeão mundial.


Quando se recusou a atender a convocação do exército norte-americano para lutar no Vietnã, o atleta foi destituído de seus títulos, banido do boxe por três anos e meio e condenado a cinco anos de prisão. A condenação acabou sendo anulada pela Suprema Corte em 1971. Mesmo assim, Muhammad pagou uma multa de 10 mil dólares ao governo. Foi resultado desse episódio uma de suas mais célebres frases: "Nenhum vietcongue me chamou de crioulo, por que eu lutaria contra eles?".

Muhammad Ali recebeu os prêmios de atleta do século pela revista Sports Illustrated e personalidade esportiva do século pela BBC. Além disso, foi nomeado Mensageiro da Paz pela ONU e condecorado com a Medalha Presidencial da Liberdade, maior honra civil norte-americana.

Cresceu tanto como Lenda que transcendeu a realidade, chegando ao ponto de participar de um dos maiores Crossovers de todos os tempos ao lado de ninguém menos que Superman.

Na trama, Superman e Muhammad Ali se unem contra uma invasão alienígena. Mas pra isso, precisam antes lutar (como em todo Crossover quando dois ou mais heróis se encontram, precisam lutar entre si antes de enfrentar a real ameaça...) em um ringue pra ver qual deles será o campeão que representará a humanidade enfrentando o campeão dos alienígenas em um torneio.


Em 1984, os jornais anunciaram que Ali, aos 42 anos, fora internado com graves sintomas de mal de Parkinson, uma doença neurológica caracterizada por tremores, redução da força muscular e rigidez progressiva. O fato de ser portador da doença tornou-se notório em 1996, quando o atleta participou da cerimônia de abertura das Olimpíadas de Atlanta acendendo a tocha.

Conhecido pela arrogância e pelo humor, um dia disse: “Sou jovem, sou bonito, sou rápido. É impossível vencer-me.”. Infelizmente após ter sido internado no hospital devido a problemas respiratórios, veio a falecer ontem aos 74 anos.

Fica aqui a nossa sincera homenagem a esta Lenda do esporte que transcendeu os limites do homem.


Muhammad Ali 17/01/1942 - 03/06/2016
Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »